Inicio Lifestyle Vinhos Vinho e pescado: tudo para uma harmonização perfeita

Vinho e pescado: tudo para uma harmonização perfeita

Para quem aprecia uma boa refeição de peixe acompanhada de um bom vinho, dois fatores devem ser tidos em conta: o tipo de peixe e o vinho escolhido. De forma a obter uma harmonização perfeita, é necessário ter em atenção alguns aspetos. É essencial conhecer minimamente o pescado e o vinho que desejamos consumir, de modo a que consigamos a combinação perfeita.

Conheça as características do pescado (peixe e marisco)

Tal como no vinho, a água é o principal constituinte do pescado (peixe e marisco). Uma das recomendações da dieta mediterrânica é que seja feito um consumo frequente de pescado, pelo que pelo menos ¼ das refeições devem incluir estes alimentos. Para além disso, pela qualidade das gorduras que oferecem – ómega 3 – cerca de duas a três refeições devem incluir peixes gordos. Fonte importante de proteínas, de alto valor biológico e fácil digestão, o peixe tem a sua textura mais ou menos firme conforme a concentração deste nutriente.

As espécies marinhas destacam-se ainda por serem uma importante fonte de lípidos, sobretudo ácidos gordos polinsaturados, mais especificamente ácidos gordos essenciais ómega-3. Classificam-se como peixes magros ou gordos conforme a maior, ou menor, concentração de lípidos. Em função do seu teor em gordura por 100g, os peixes podem ser classificados nos seguintes grupos: magro (<2%); baixo teor de gordura (2 a 4%); teor médio de gordura (4 a 8%) e alto teor de gordura (>8%).

Uma forma prática de identificar o teor de gordura no dia-a-dia é o recurso à avaliação pela cor:  peixes de carne clara (peixe espada preto, pescada, carapau e bacalhau) são por norma mais magros e apresentam a gordura concentrada no fígado – e peixes caracterizados por possuírem uma cor azulada na região do lombo (atum, sardinha, cavala, salmão) têm normalmente um teor de gordura mais elevado.

Vinho como acompanhamento para peixe

O casamento do vinho com a comida de mar deve ter em conta os seguintes aspetos: nivelamento do corpo do vinho com a leveza ou o peso do pescado; composição diferenciada de proteínas e gorduras; atenção ao sal e ao processo culinário, já que a técnica utilizada pode duplicar as calorias e a gordura, como é o caso de frituras, se compararmos com o cozimento. Uma maior gordura deve ser balanceada com a proposta de vinhos mais ácidos, fáceis de encontrar nas regiões atlânticas, como o vinho verde, ou de maior altitude, como o Dão.

A maridagem mais consensual para os fantásticos pescados e mariscos da nossa costa é o vinho branco ou rosé, com ou sem efervescência e sem açúcar residual, seco ou bruto, o que é costumeiro em todas as regiões vitivinícolas nacionais.

Devemos nivelar o peso e corpo do vinho branco ou rosé com o peso do pescado. O marisco ou a sardinha harmonizam com um vinho mais leve, comum nas regiões atlânticas de Portugal, desde o vinho verde até Lisboa, passando pela Bairrada. Já o atum ou o salmão, mais secos e ricos em proteína e lípidos, anseiam por um branco denso, fácil de encontrar nas regiões montanhosas do centro e norte interior, como o Douro, o Dão ou a Beira Interior. Entre outros peixes mais substanciais, a posta do bacalhau de salga também agradece um branco encorpado, até com estágio em madeira, sobretudo acompanhando grelhados ou assados.

Para dimensões intermédias de pescado, como as douradas e as aromáticas composições de peixe e marisco com arroz, e ainda legumes ou massas, os vinhos brancos e rosés de média dimensão, muito comuns nas regiões vinícolas mais a sul – do Tejo até ao Algarve, passando pela Península de Setúbal e Alentejo – são escolha acertada.

O vinho tinto, devido aos taninos que conferem corpo e rugosidade, deve evitar a companhia de peixes e mariscos, sendo possível uma harmonia com peixes gordos como o atum ou a posta de bacalhau de salga, desde que se trate de um tinto de taninos suaves e servido a temperatura mais fria, por volta de 14 ºC.

Conjugar o melhor vinho para o peixe que queremos consumir é uma tarefa muito séria e com grande responsabilidade. Há muitos aspetos a considerar para que haja um cruzamento perfeito de sabores e para que possamos extrair o melhor de dois mundos. Partilhe estas dicas e comece a treinar o seu paladar. Bom apetite!

ÚLTIMOS ARTIGOS

10 bons vinhos rosé para o verão

Os rosés são vinhos perfeitos para o verão. Leves, frescos e com uma coloração única, oferecem imensas possibilidades de harmonização gastronómica. Podem...

Conheça a nova Yammi 2 Edição Limitada Vida Saudável

Com o ritmo de vida acelerado da sociedade moderna, cada vez mais as pessoas têm menos tempo para cozinhar, pelo que ter...

5 receitas para fazer gin tónico em casa em dias quentes

Nos dias quentes de verão, nada melhor do que uma bebida refrescante para degustar entre amigos, em família ou até sozinho. Aliás,...

Picanha: conheça esta carne tenra e suculenta

A picanha é a estrela de qualquer churrasco. É aquela carne que todos ficam à espera que chegue à mesa para a...

Melancia: tudo sobre esta fruta fresca de verão

Com as suas cores vibrantes, verde por fora, vermelha por dentro, com sementes pretas a salpicar a polpa sumarenta, a melancia é...